terça-feira, 22 de março de 2016

Aumenta a revolta dos lesados pela PDG





 Aumenta a revolta de proprietários de imóveis do empreendimento da PDG, o Ville Sollare, construído na avenida Augusto Montenegro, no Parque Verde, em Belém.
O residencial deveria ter sido entregue em dezembro de 2013, mas até hoje, nada. As obras estão paralisadas.
Um dos proprietários prejudicados, leitor do Espaço Aberto, manda e-mail pra cá dizendo que todos estão pagando, a título de taxa de evolução de obra, aproximadamente R$ 1.500,00. "A Caixa é conivente com essa situação, já que esse valor sequer serve pra amortizar o saldo devedor do financiamento", afirma o leitor.
"Precisamos de ajuda do Ministério Público e órgãos afins contra esse absurdo", afirma o leitor.
Pois é um absurdo mesmo.
É um logro.
Um embuste.
Espiem só, acima, as imagens acima.
Foram pinçadas do site da PDG.
Vejam que coisas mais bacanas.
Só falta entregar aos proprietários.
Apenas isso.

7 comentários:

Caio Peixoto disse...

Um absurdo, as obras estão paradas...se vc atrasar 10 dias uma parcela, seu nome fica sujo, porém a construtora pode fazer o que quer...um absurdo!

Joaquim braga disse...

Em Santarém, a empresa Aqua, sediada em Belém, de propriedade de Antônio Tuma, deu um calote num universo considerável de do condôminos.
Enquanto inexistirem leis mais rígidas para essa gente, eles continuarão aplicando seus golpes.

Anônimo disse...

Antônio Tuma da empresa Aqua de Belém , lesionou condôminos em Santarém.Nosso pais protege essa gente.

Anônimo disse...

ENTREM NA JUSTIÇA E COBREM SEUS DIREITOS... simples, assim! nao adianta ficar chorando!

Anônimo disse...

Por enquanto, nada de novo na terra sem lei.

Carvalho disse...

Por muito tempo pensamos em comprar apartamentos ainda na planta. Seja pela ideia de que algo novo fosse mais moderno, vistoso e cheio de atrativos como as construtoras vendem (salão de jogos, sauna, piscina, área recreativa etc) ou pelo simples fato de querer ser o primeiro proprietário. Bobagens mesmo. Contudo, cada vez mais vemos que não é honrado o que foi prometido. Em raríssimas ocasiões a empresa vende e entrega o mesmo produto. Os contratos são rasgados e ignoram todas cláusulas. Quando procuram para reivindicar, a resposta é tão sucinta quanto nefasta: "entrem na justiça e reclame lá". Nosso sistema não está preparado para amparar os consumidores que investem tão alto e se desdobram para arcar com os seus compromissos. Compramos no escuro, acreditando no que está no papel. Não é justo, não é correto. Além de ilegal, é imoral!

André Carim disse...

A PDG não honra seus compromissos. Sou proprietário de um apartamento no Ville Laguna, entregue com atraso de quase 3 anos. Obra feita com materiais de quinta qualidade, cheia de problemas, que vão desde rachaduras, infiltrações e pastilhas descolando das paredes externas, até ondulações no estacionamento, captação e tratamento de agua mal dimensionados para o tamanho do condomínio e fiação elétrica incompatível com o uso de equipamentos um pouco mais potentes como fornos micro-ondas e sanduicheiras. A empresa oferece um acordo ridículo num valor de 10 ou 12 mil reais e exige que seja assinado um termo no qual ela fica isenta que toda responsabilidade. Quando o consumidor ajuíza uma ação reparatória, eles ficam empurrando com a barriga, utilizando a nossa já assoberbada justiça para protelar uma obrigação que todos sabem que a PDG é credora. Apelo ao Tribunal de Justiça para que seja feito um mutirão para ser dado termo a todos os processos ajuizados contra esse empresa paulista que veio aqui para enganar os paraenses.