quarta-feira, 3 de agosto de 2022

Uma conservadora, que sabe tudo sobre motéis, quer governar o Brasil. Sorte pra ela!

Suíte de um motel de Soraya Thronicke, em Campo Grande (MS), inspirado
no filme "50 Tons de Cinza": conservadorism à brasileira
(foto extraída de matéria do G1)
Que a senadora Soraya Thronicke (PSL), pré-candidata do União Brasil à presidência, era bolsonarista incondicional, isso eu sabia.

Que ela se afastou dos fanáticos negacionistas durante o período da pandemia e teve atuação ponderada durante a CPI da Covid, isso eu também sabia.

Que desde então tem sido uma bolsonarista, digamos assim, moderada - igualmente eu sabia.

E sabia ainda que a deputada sempre demonstou cultivar hábitos, pensamentos e princípios pautados no mais agudo conservadorismo.

O que eu, sinceramente, ainda não sabia, era que Thronicke é uma empresária do ramo de motéis em Campo Grande, a capital Mato Grosso do Sul, seu berço político.

Ao saber disso, fique pensando.

Você aí, independentemente de ser conservador, esquerdista, terrorista, terraplanista ou negacionista, qual é o seu conceito de motel?

É um lugar pra você pular a cerca?

Ou para viver suas fantasias sexuais?

Ou para fazer, bem escondido, algo que o senso moral reprovaria se você fizesse mais às claras (ainda que não a céu aberto)?

Qual é o conceito de motel, afinal de contas, para a senadora Thronicke, essa conservadora que, acredito, deve observar parâmetros mais rígidos para práticas que se ajustam a um motel?

Thronicke já disse que uma de suas cruzadas é desfazer o conceito de que motel seria um lugar para promiscuidades, vulgaridades e saliências reprováveis que os conservadores, como ela, também reprovariam.

Em 2015, quando Thronicke ainda nem era senadora, o G1 fez uma reportagem com ela (confira aqui), revelando que o filme "50 Tons de Cinza" inspirou a decoração de suíte de um de seus motéis em Campo Grande.

"A imagem do rosto de uma mulher com olhos vendados, batom vermelho e algemas na boca lembra a cena do filme em que Anastasia, interpretada, pela atriz Dakota Johnson, é amarrada na cama e vendada no quarto vermelho de Christian Grey, personagem do ator Jamie Dornan no filme. Dois quadros decorativos com algemas de pelúcia e um chicote também reproduzem parte do arsenal guardado no quarto vermelho de Grey", diz a matéria.

A cama redonda da suíte foi projetada pela própria Soraya Thronicke, e dá impressão de estar suspensa. De frente para a cama, uma mesa com cadeiras e uma banheira com hidromassagem. "Não sou arquiteta, mas sempre gostei de decoração. Fui me inspirando em hotéis e motéis ao redor do mundo, por isso não fizemos igual a ninguém. O nosso diferencial é que quando a pessoa entra nas nossas suítes não percebe a vulgaridade do ambiente. Tentamos fazer com que fosse mais aconchegante do que o tradicional", explicou.

Pronto. Um lugar aconchegante. É assim o conceito de um motel para Thronicke, essa conservadora que pretende governar o Brasil.

Muito bom conhecer o lado empreendedor da senadora conservadora.

Até porque, como ela se diz liberal em relação à economia, a gente pode reforçar a nossa convicção de que, para os conservadores - ou pelo menos para alguns deles -, ainda que o meio de ganhar dinheiro possa eventualmente agredir nossos sensos morais, podemos deixar isso de lado, né?

Se bem que, para Thronicke, isso não é dilema algum, porque seu conservadorismo tem nos motéis um lugar apenas, como ela disse, aconchegante.

Sorte para a pré-candidata do União Brasil!

E avante, Pátria amada!

2 comentários:

Anônimo disse...

Independente disto, ela demonstra descontrole, e desconhecimento em vários assuntos nas vezes em q foi perguntada.
Fraca, oportunista e perigosíssima. Vamos aguardar.

Hip Rock disse...

Sério que vc ta implicando pela mulher ter uma rede de moteis? qual o problema em empreender? Muito né?