sexta-feira, 27 de janeiro de 2023

Valdemar aposta em Michelle: "Ninguém sabe o dia de amanhã". Pois é: quem imaginaria ver Valdemar como um puro?

O jornal O Globo, edição desta sexta (27), brinda seus leitores com entrevista concedida pelo presidente do PL, o ex-condenado e ex-presidiário do Mensalão Valdemar Costa Neto, essa criança inocente, pura e prenhe de boas intenções, adotada pelo bolsonarismo como um exemplo de homem público.

A entrevista é um espetáculo.

É dessas que a gente deve pôr numa moldura e afixar na sala de casa.

Valdemar diz, entre outras coisas, que todo mundo, inclusive membros do governo Bolsonaro, tinha a minuta do golpe, com teor igualzinho ao da minuta encontrada pela PF na casa do ex-ministro da Justiça Anderson Torres, depois dos atos terroristas de 8 de janeiro.

E Bolsonaro, também tinha?

Não. Valdemar disse que jamais tratou com o então presidente de alternativas que estivessem fora das tais quatro linhas da Constituição.

Todo mundo está acreditando nessa afirmação. Até Valdemar, acreditem, está acreditando.

O presidente do PL diz ainda que não vê chances de Bolsonaro ficar inelegível.

Hehe.

Bolsonaro responde a nada menos do que 16 ações de investigação judicial eleitoral (Aijes) em tramitação. Condenado em apenas uma dessas, estará inelegível. Mas Valdemar acredita que ele não será condenado. Acredite você também!

Em outro trecho da entrevista, Valdemar diz assim: “Bolsonaro não quis fazer nada fora da lei. A pressão em cima dele foi uma barbaridade. Como o pessoal acha que ele é muito valente, meio alterado, meio louco, achava que ele podia dar o golpe. Ele não fez isso porque não viu maneira de fazer. Agora, vão prendê-lo por causa disso [da minuta])?

Bolsonaro ser "meio alterado, meio louco" e capaz de dar um golpe? Perfeito, isso é um juízo correto.

Mas Bolsonaro ser "valente"? Esperem aí!

Bolsonaro é o político mais covarde que a história do Brasil já produziu. Não fosse assim, ele não estaria fora do País, com medo de voltar e ser preso.

Tem mais.

Na entrevista, Valdemar confessa esperar ardentemente pelo retorno de Bolsonaro do exílio. "O pessoal é muito extrema-direita. Com ele aqui, estou no céu. Eles ouvem Bolsonaro. Não vão me ouvir", justifica.

Bolsonaro moderado, conciliador, racional, comedido?

Você acredita nisso? Valdemar, sim, acredita. Então, siga-o.

Por fim, Valdemar não descarta que Michelle dispute a presidência. Não a presidência da Terra Plana, mas do Brasil.

"Ela tem condições. Ela pode até ser candidata a presidente da República. Ninguém sabe o dia de amanhã", reforça Valdemar.

É verdade. Ninguém sabe o dia de amanhã. Se soubéssemos, não imaginaríamos nem que Valdemar Costa Neto, ex-presidiário por corrupção, um dia estaria entre os mais puros espécimes do bolsonarismo.

Ah, sim.

Não esqueça.

Leia a entrevista de Valdemar.

É um espetáculo.

Ficar velho é inevitável, ficar chato é opcional: ninguém pode viver sem um meme de bom dia

Memes são inspiradores. Fora de brincadeira que são.

E memes de bom dia, então, esses são o suprassumo da fofura.

Nos grupos, eles, os memes de bom dia, representam todo o amor, toda a felicidade, toda a verdade, a empatia, a humanidade, sociabilidade e interatividade que o ser humano é capaz de expressar.

Não posso ver um meme de bom dia sem ver minhas emoções escorrendo, lacrimosas, por todos os poros.

Ainda há pouco, deparei-me com esse meme aí em cima.

Fiquei enternecido.

Nos grupos de que participo - são mais de 450 - nunca respondi a bom dia de ninguém, porque não tenho talento para expressar tanta sensibilidade em apenas duas palavras e numa figurinha qualquer. Mas fiquei com vontade de responder a esse. Mas fiquei paralisado, porque a mensagem nos paralisa. Paralisa sobretudo os velhos, como eu.

O que nos paralisa é, como já dito, a verdade que o meme expressa.

Porque estar velho é, evidentemente, uma contingência - inevitável, incontornável, inafastável e inapelável - da vida. Mas ficar chato, não.

Estar velho, mas ficar chato, é uma questão de opção. Simples assim.

Mas poderíamos estender as opções que os velhos podem acolher.

Por exemplo: tornar-se um velho preconceituoso é uma opção.

Tornar-se hipócrita também.

Machista, idem.

Como também pode ser uma opção um velho tornar-se delirante, terraplanista, fascista, direitista ou bolsonarista.

Sei que os haters virão aqui para me apontar o dedo e dizer: também pode ser uma opção tornar-se comunista, esquerdista, lulista, petista e que tais.

É sim.

Também é.

Mas a questão da qual aqui se trata é de escolha.

Então, faça a sua. Conscientemente!

E bom dia.

Aliás, boa tarde, porque o dia avança.

quarta-feira, 25 de janeiro de 2023

Ao afastar comandante do Exército, Lula reforça sua legitimidade. Só bolsonarista idiota acha que não.

Lula e o general Tomás Miguel Paiva: comandante e soldado inteiramente sintonizados

Hoje está fazendo quatro dias que o presidente Lula, na condição de comandante em chefe das Forças Armadas, exonerou o comandante do Exército, general Júlio Cesar de Arruda, porque o militar dissentiu de diretrizes emanadas da Presidência no contexto de episódios decorrentes dos atos terroristas de 8 de janeiro.
Além disso, o presidente já afastou dezenas de militares que atuavam no gabinete da Presidência, da Vice-Presidência e do GSI (Gabinete de Segurança Institucional). As dispensas se amparam nas desconfianças, explicita e publicamente expostas por Lula, sobre a conduta de toda essa turma durante os atos terroristas.
E depois de tudo isso - da demissão de Arruda e das dezenas de militares -, o que aconteceu?
Nada.
A República naufragou?
Não.
O Exército se insubordinou?
Não.
As Forças Armadas se rebelaram?
Não.
Lula deflagrou o que os bolsonaristas idiotas - por serem idiotas - estão chamando de crise?
Muito menos.
Lula superou suas desconfianças em relação ao Exército?
Sim, porque o novo comandante, general Tomás Miguel Ribeiro Paiva, alinha-se perfeitamente, modelarmente e exemplarmente ao que se espera de qualquer comandante de tropa que tenha senso patriótico e seja verdadeiramente profissional. Ou seja, o novo chefe do Exército não é direitista, nem esquerdista, nem bolsonarista, nem lulista. É um soldado a serviço da Pátria brasileira, integrante de uma Força inteiramente subjugada aos ditames da Constituição. Simples assim.
Duas conclusões singelas, portanto.
A primeira: o presidente, legitimamente eleito e no exercício legítimo de sua autoridade, confirmou-a de forma insofismável ao optar por uma alternativa que sinalizou aos militares de que ele, Lula, é o comandante em chefe. Portanto, é ele quem manda. E pronto.
A segunda: a faxina promovida por Lula no meio militar não pode e nem deve se limitar aos afastamentos. Precisa prosseguir para investigar, minuciosamente, detidamente e rigorosamente, quem concorreu, por ação ou por omissão, para os atos terroristas de 8 de janeiro, perpetrados por bolsonaristas vândalos, bandidos, idiotas e terroristas.

segunda-feira, 23 de janeiro de 2023

Apontado como "o maior desmatador da Amazônia", Pará é tema de reportagem da "Folha"

Matéria de página quase inteira, publicada na edição desta segunda (23), da Folha de S.Paulo, destaca os índices de desmatamento há 16 anos consecutivos no Estado do Pará, que o jornal, já no título, classifica de "o maior desmatador da Amazônia".
"Só entre agosto de 2021 e julho de 2022, foram desmatados mais de 4.141 km² do bioma no estado. A queda de quase 21% em relação ao pico do ano anterior (5.238 mil km², o maior número desde 2008) não é algo tão surpreendente, dizem pesquisadores, já que mesmo para os desmatadores é caro manter níveis tão altos de destruição", diz a abertura da reportagem.
Entre os especialistas ouvidos, o diretor de Políticas Públicas e Desenvolvimento Territorial do Ipam (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia), Eugênio Pantoja, lembra que "grande parte do desmatamento no Pará ocorre dentro de áreas públicas federais", destacando que cerca de 70% da área do estado estão sob domínio da União.
Em âmbito local, Pantoja considera que houve avanços em políticas nos últimos anos, que ajudaram a reduzir a devastação - como a criação da Força Estadual de Combate ao Desmatamento e o programa Amazônia Agora, voltado ao desenvolvimento sustentável da região.
A versão impressa da matéria não traz o posicionamento da Semas (Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade), que se manifestou apenas após a publicação. De acordo com nota divulgada somente na reportagem disponível no portal da Folha, a Semas afirma que o Estado "nunca negou os desafios em relação ao combate ao desmatamento ou se omitiu da responsabilidade em combater os ilícitos ambientais" e que o maior adensamento demográfico da região precisa ser levado em conta.
O órgão cita ainda iniciativas implementadas localmente, como a Política Estadual de Mudanças Climáticas, o Plano Estadual de Bioeconomia, e o Selo Verde, de rastreabilidade da produção pecuária. "Por isso, o Pará e o Brasil acreditam que Belém seja a melhor escolha para sediar a COP 30, pois o debate deve ocorrer no local onde o tema [das] mudanças climáticas necessita de maior atenção e cuidado, que é a Amazônia".

"Minuta do golpe é coisa de comunista", está para dizer Bolsonaro, trêmulo diante da iminência de ir para a cadeia

Anderson Torres e Bolsonaro: um já está preso; quanto ao outro, escora-se em alegações imebecis
De Jair Bolsonaro, o foragido, não se diga que desconheça o que são imbecilidades.
De imbecilidades, Bolsonaro sabe tudo. Porque as cometeu, em dimensões tsunâmicas, durante os quatro anos em que desgovernou o Brasil e tornou-se o flagelo da Nação.
A última imbecilidade de Bolsonaro é imaginar que todos aceitamos, impassíveis e serenos, as suas alegações imbecis para tentar livrar-se da pecha de golpista que lhe está sendo impingida por fatos abundantes, entre eles os atos terroristas de 8 de janeiro, em Brasília.
Em resposta enviada ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Bolsonaro, por seus advogados, alega que a minuta golpista encontrada na casa do ex-ministro da Justiça Anderson Torres é "apócrifa", nunca foi publicada e "nunca extravasou o plano da cogitação".
“É necessário consignar que o documento apócrifo, juntado aos autos, não foi encontrado em posse dos investigados, nem assinado por eles, e a peça de juntada tampouco indica quaisquer atos concretos ou ao menos indiciários de que tenham participado de sua redação ou agido para que as providências supostamente pretendidas pelo documento fossem materializadas no plano da realidade fenomênica", alega a defesa do ex-presidente.
Bolsonaro, o expert em imbecilidades, imagina que vamos acreditar no seguinte: a minuta de um ato decretando estado de defesa no TSE, encontrada na casa de seu ex-ministro da Justiça, nada teve a ver com ele, Bolsonaro.
O foragido pretende nos convencer a todos de que nunca, jamais, em tempo algum, nem mesmo em sonho, cogitou lançar mão de um mecanismo inconstitucional como aquele para reverter o resultado legítimo das urnas, que apontaram Lula como o vencedor (em dois turnos) das eleições do ano passado.
Pretende nos convencer a todos de que, mesmo divulgando mentiras durante quatros para desacreditar a segurança do processo eleitoral, jamais pensou em, como sempre diz, sair das quatro linhas da Constituição.
Muito embora tenha divulgado um vídeo mentiroso logo após os atos terroristas de 8 de janeiro, negando a legitimidade da vitória de Lula, Bolsonaro quer nos fazer acreditar que ele sempre foi um estadista, um democrata e o herói da Pátria amada.
Talvez Bolsonaro, em próximo expediente a ser enviado ao TSE, venha a dizer que um infiltrado - comunista, petista, esquerdista ou lulista - foi quem produziu aquele documento, invadiu a casa de Anderson Torres e o largou dentro de alguma gaveta, apenas para implicar tanto o ex-ministro como o ex-presidente em um crime contra a ordem democrática.
É assim.
De imbecilidades, Bolsonaro sabe tudo.
Se tivesse o mínimo de inteligência, deveria estar mesmo articulando respostas mais convincentes à Justiça para evitar que seja preso.

quinta-feira, 19 de janeiro de 2023

Bolsonaro adia retorno ao Brasil. A covardia dos covardes não tem prazo de validade.

Bolsonaro: meter-se no esgoto da História é a sina dos covardes

A covardia de um covarde não tem prazo de validade, mesmo que a covardia seja de um covarde como Bolsonaro.

Em tese, não há prazo marcado para essa covardia acabar. É previsível, portanto, que se estenda indefinidamente.

O jornalista Igor Gadelha informa em sua coluna, no portal Metrópoles, que Bolsonaro decidiu estender sua permanência em Orlando, nos Estados Unidos, pelo menos até o final de fevereiro de 2023.

Inicialmente, informa o jornalista, o Herói do Golpe planejava voltar ao Brasil no final de janeiro. Após os atos terroristas de 8 de janeiro, porém, foi aconselhado a ficar mais tempo nos Estados Unidos.

Todos são covardes.

É covarde tanto Bolsonaro quanto os que o aconselham a ficar mais tempo nos Estados Unidos.

Não tivesse nada a temer, ele não teria se evadido (resgato o verbo muito usado no texto jornalístico policial) do Brasil, saindo por uma porta lateral do Palácio da Alvorada, um dia antes de terminar seu nefasto, trágico e devastador mandato.

Se tivesse a consciência tranquila de que nada deve à Justiça, teria permanecido no Brasil, arrotando suas arrogâncias e assumindo plenamente as consequências de fazê-lo.

Se tivesse a coragem, a altivez e o verdadeiro patriotismo que marcam os verdadeiros estadistas, estaria no espaço que lhe reserva a democracia: na oposição, que é legítima em qualquer regime democrático.

Mas não.

Bolsonaro continua evadido porque, covardemente, teme ser preso.

Por ser desprovido de um pingo, de uma réstia sequer de inteligência, não consegue nem atinar que, emitindo a Justiça uma ordem de prisão contra ele, poderá ser alcançado onde estiver. A menos, é claro, que se meta no esgoto.

Aliás, o esgoto - inclusive o esgoto da História - é a sina dos covardes.

É a sina de Bolsonaro.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2023

Defender a prisão de Bolsonaro é disseminar o ódio? Mas tias e tios do Zap não fazem o mesmo - ou até pior?

Bolsonaro de arma em punho: para tias e tios do Zap, isso é apenas uma brincadeirinha.
Porque em verdade, dizem tias e tios, ele é o amor, a paz, a temperança e a cordialidade.
Defender a prisão de Bolsonaro pelo cometimento de vários crimes, entre eles o de incitar a abolição do Estado Democrático de Direito, não é disseminar o ódio?
Essa é a pergunta, singela e objetiva, que alguns bolsonaristas - três ou quatro - leitores do Espaço Aberto fazem, em decorrência de postagens aqui feitas, defendendo a prisão do ex-presidente.
Resposta à pergunta: Não. Em absoluto, não.
Por que não?
Porque defender a prisão de Bolsonaro é uma imposição que se apresenta diante de fatos - clamorosos, evidentes, escandalosos, eloquentes, indesmentíveis e irretorquíveis.
Qual a substância desses fatos?
A substância é a de que ele, durante os quatro anos em que desgovernou o País, o elemento disseminou todo dia, o dia todo, o ódio. Além disso, espalhou mentiras, deboches, falta de empatia e crueldade, que desaguaram nos atos de 8 de janeiro. Foi exatamente isso que se abordou aqui, na postagem intitulada Bolsonaristas idiotas acham que não há justificativas para prender Bolsonaro. Acham isso porque, justamente, são idiotas.
O ódio de Bolsonaro acabou contaminando uma parcela de seus simpatizantes, que se transformaram em fanáticos. Nessa condição, viraram golpistas que acamparam em frente a quartéis, clamando por uma intervenção militar para reverter a vitória de Lula em dois turnos, no primeiro e no segundo, das eleições do ano passado.
De fanáticos defensores de um golpe, bolsonaristas dominados pelo ódio instilado por Bolsonaro avançaram dos atos preparatórios para os de execução. E partiram para o terrorismo de 8 de janeiro.
Portanto, quando se defende que Bolsonaro deve ser preso não é, propriamente, por ter disseminado o ódio, mas pelas consequências que isso trouxe para a estabilidade democrática do País.
E tem mais: o ódio, as mentiras e o deboche de Bolsonaro contaminaram, inclusive, tias e tios do Zap, que pregam o amor nos seus celulares no início de cada manhã, mas logo depois partem para o terrorismo digital, temperado por mentiras infames, burras e ridículas, mas perigosíssimas, eis que têm o potencial de manter um estado permanente de golpismo entre fanáticos.

Silêncio de ex-ministro de Bolsonaro é um berro. É um grito retumbante.

Torres e Bolsonaro: farinhas do mesmo saco que estão estão no mesmo saco de suspeitas

O silêncio de Anderson Torres, ex-secretário de Segurança Pública do governador bolsonarista do DF, Ibaneis Rocha - no momento afastado de suas funções por 90 dias -, e ex-ministro da Justiça do governo nefasto de Jair Bolsonaro, é um silêncio que berra e grita de forma retumbante. É um berro e um grito que ressoam na vasta terra plana bolsonarista.
Torres teve sua prisão ordenada pelo Supremo após os atos terroristas de 8 de janeiro. Nem bem sua prisão foi anunciada, descobriu-se na casa dele, em Brasília, a minuta de um decreto que não chegou a ser assinado por Bolsonaro, mas previa a implantação do estado de defesa no TSE. Objetivo: tentar reverter, inconstitucionalmente, a derrota que o então presidente sofrera nas urnas, em 30 de outubro.
Na manhã desta quarta-feira (18), Torres preferiu manter-se em silêncio, durante depoimento à Polícia Federal. Uma equipe da corporação deslocou-se especialmente até onde ele está preso, no 4º Batalhão da Polícia Militar do DF, mas o ex-ministro disse que não tinha declarações a dar aos investigadores.
É um direito dele manter-se em silêncio?
É um direito dele, previsto constitucionalmente e amparado, entre outros princípios, num que é basilar, primordial em qualque Estado Democrático de Direito: o princípio da presunção de inocência, segundo o qual ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória. Como é apenas investigado, em estágio ainda muito inicial das investigações, Torres, repita-se, tem todo o direito de nada falar.
Mas é inegável, é absolutamente indesmentível, porque lógico, o seguinte: se o ex-ministro tivesse argumentos fartos, robustos, contundentes e verazes para esclarecer acusações que se lhe imputam - entre elas sobre o contexto em que foi encontrada a tal minuta do decreto do golpe -, é evidente que teria falado. E teria falado, como se diz, pelos cotovelos.
Como preferiu não fazê-lo, presume-se que não encontrou - pelo menos ainda não - elementos substanciais que demonstrem não ter ele participado, por ação ou omissão, dos atos terroristas de 8 de janeiro - tanto em suas fases antecedentes como durante a sua consecução.

terça-feira, 17 de janeiro de 2023

Bolsonarista terrorista reclama que foi preso sem querer ser preso


Parece mentira de bolsonarista.
Mas não é.
Espiem a nota acima, que abre a coluna Painel desta terça (17), na Folha de S.Paulo.
Leiam tudo e vejam como um bolsonarista é sempre uma excelência de inteligência. E um bolsonarista terrorista, é muito mais inteligente ainda.
Um bolsonarista terrorista inteligente acha, por exemplo, que ser preso contra a vontade é ilegal e inconstitucional.
Ao contrário, um bolsonarista terrorista inteligente deve achar que, se for respeitada a sua vontade de ser preso, aí sim, a prisão é legal e constitucional.
Entenderam bem?
E mais: falta de condições para limpar as lentes agride mesmo os direitos humanos?
Agride os direitos assegurados na Convenção de Haia?
Sabe-se lá.
Mas a verdade é que, como dito, tudo isso parece mentira de bolsonarista.
Soquinão.

segunda-feira, 16 de janeiro de 2023

Tia Fátima é uma vovó fofa e aparentemente inocente. Mas é bolsonarista, terrorista e bandida.

Maria de Fátima Souza, a Tia Fátima, em pleno ato patriótico: uma vovó bandida,
que já foi condenada em 2014 por tráfico de drogas. Tias e tios bolsonarista a idolatram.
Se vocês quiserem ver um bolsonarista com o coração inundado de lágrimas de compaixão, basta mostrarem a ele imagens de vovôs e vovós tocando o terror na Praça dos Poderes, em Brasília, no dia 8 de janeiro.
Quando se deparam com imagens que tais, tias e tios do Zap, cheios de amor pra dar, lançam aquele sábio argumento:
- Alguém acredita que velhinhos como esses seriam capazes de dar um golpe de estado?
Pois é.
Respondamos, então, no estilo direto, objetivo e sem rodeios verbais, para tias e tios do Zap entenderem:
- Sim. Eu acredito. Velhinhos não apenas podem ser bolsonaristas como também podem ser golpistas, terroristas e bandidos - não necessariamente nessa ordem.
Vejam essa vovó aí.
Bolsonaristas, compungidos e compadecidos, tratam-na familiarmente como Tia Fátima, uma grande patriota.
Trata-se de Maria de Fátima Mendonça Jacinto Souza, uma catarinense de Tubarão.
O Fantástico deste domingo (15) - vejam aqui - exibiu a ficha da vovó inocente.
Tia Fátima, como a chamam carinhosamente e honrosamente os bolsonaristas nas redes sociais, não apenas é uma fanática seguidora de Bolsonaro, mas também é golpista, terrorista e bandida.
Em 2014, como informou o Fantástico, a vovó bandida foi presa em flagrante e cumpriu três anos de cana, condenada por tráfico de drogas.
Ela não está na lista de presos da semana passada, mas aparece em várias imagens dos atos terroristas, incusive lançando ameaças ao ministro Alexandre de Moraes.
Tias e tios bolsonaristas acreditarão que a vovó é uma bandida?
Claro que não.
Vão dizer que tudo é fantasia.
E dirão isso porque vivem num mundo paralelo.

sexta-feira, 13 de janeiro de 2023

Enfim, Aras sai de sua "arasia". Agora, é preciso meter Bolsonaro na cadeia. Inapelavelmente!

Jair Bolsonaro: incitação ao terrorismo começou não agora, mas há quatro anos.
Desde os atos terroristas de 8 de janeiro. o Espaço Aberto já defendeu, várias vezes, a prisão de Bolsonaro. Como também já o apontou, nominalmente, como o único, verdadeiro e maior responsável pelas ações criminosas que assolaram Brasília.
Esse posicionamento está explícito em postagens como:


É de uma solar, resplandencente e rebrilhante clareza que Bolsonaro desponta, literalmente, como um marginal. Ele está à margem - da convivência social, da convivência democrática, de qualquer seara em que se possa, racionalmente, inteligentemente e razoavelmente, travar o salutar exercício da política mesmo que sob contextos incontornáveis, nos quais a divergência é necessária, imprescindível e, também ela, salutar.
Como marginal, Bolsonaro não pode deixar de ser responsabilizado após os atos terroristas de 8 de janeiro.
Porque, como já se disse aqui, ele passou quatro anos alimentando o ódio, o radicalismo, o fascismo, a falta de empatia, a mentira, o deboche (inclusive com os agonizantes de Covid) e a crueldade.
Tudo isso, toda essa selvageria de caráter, alimentou malucos, fanáticos e fascistas iguais a ele. Uma selvageria que desaguou nas cenas dantescas de 8 de janeiro.
Como se admite que um elemento como esse ainda fique impune?
Não pode.
Felizmente, a Procuradoria Geral da República acaba de sair de sua arasia - ou seja, saiu da inércia, do imobilismo, da brandura e tolerância diante de Bolsonaro - demonstrada por Aras, o Augusto Aras, procurador-geral da Repúlica.
Saindo da arasia, a PGR anunciou nesta sexta-feira (13) que pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) para investigar Bolsonaro, o marginal, no inquérito que trata dos "autores intelectuais" e instigadores dos atos de terrorismo.
Na quinta (12), a PGR já havia pedido ao STF para investigar autores intelectuais dos atos. Agora, caberá ao ministro da Corte que ficar com o caso decidir se abre ou não a investigação. O pedido da quinta-feira não citava Bolsonaro, mas dizia que o órgão queria investigar todos os que fizeram ataques às urnas, insinuação de fraudes eleitorais, deslegitimação de quem venceu a eleição, ataques ao Supremo Tribunal Federal, “mesmo estando no exterior”.
Alexandre de Moraes já atendeu o pedido da PGR e mandou incluir Bolsonaro entre os investigados.
Este já é um bom começo.
Mas registre-se, repita-se e insista-se: Bolsonaro precisa ir para a cadeia. Inapelavelmente!

quinta-feira, 12 de janeiro de 2023

"Folha" revela que Bolsonaro estava com tudo pronto para dar um golpe. E por que ele ainda não foi preso?

Jair Bolsonaro: ele só foi em frente com seus planos golpistas porque, felizmente, é um covarde
A cada dia, a cada hora, a cada minuto, desde 1º de janeiro, consolida-se, inegavelmente, a convicção de que Bolsonaro é um golpista que só desistiu de aplicar um golpe não porque seja uma democrata, mas porque é um covarde e fujão.
A cada dia, a cada hora, a cada minuto, desde 1º de janeiro, consolida-se, inegavelmente, a convicção de que Bolsonaro é o fascista que só não pôs em prática as deformações fascistas que o tornam repulsivo porque saberia que a democracia brasileira reagiria firmemente.
A cada dia, a cada hora, a cada minuto, desde 1º de janeiro, consolida-se, inegavelmente, a convicção de que Bolsonaro, depois dos atos que bolsonaristas terroristas perpetraram em 8 de janeiro, precisa ser preso urgentemente. E indícios fortíssimos não faltam para que seja preso.
A Folha de S.Paulo acaba de divulgar, em seu portal, que a Polícia Federal encontrou na residência de Anderson Torres - ex-ministro da Justiça contra o qual recai uma ordem de prisão expedida pelo Supremo - uma minuta (proposta) de decreto para que Bolsonaro, então presidente, instaurasse o estado de defesa na sede do TSE (Tribunal Superior Eleitoral).
O objetivo do decreto seria reverter o resultado da eleição, em que Luiz Inácio Lula da Silva (PT) saiu vencedor. Tal medida seria inconstitucional, eis que configuraria um golpe contra o Estado Democrático.
O documento foi encontrado no armário do ex-ministro durante busca e apreensão realizada na última terça-feira (10). A PF vai investigar as circunstâncias de elaboração da proposta.
O material tem indicação de ter sido feito após a realização das eleições e teria objetivo de apurar abuso de poder, suspeição e medidas ilegais adotadas pela presidência do TSE antes, durante e depois do processo.
Bolsonaro golpista.
Bolsonaro fascista.
Bolsonaro fujão.
Quem duvida disso?
O certo é que as fossas bolsonaristas do governo Bolsonaro apenas começaram a ser remexidas.
E já exalam podridões dignas das melhores fossas bolsonaristas.

quarta-feira, 11 de janeiro de 2023

Parlamentares bolsonaristas querem anistiar comunistas, esquerdistas e lulistas. É isso mesmo, tias e tios do Zap?

Terrorista é preso no domingo: para tias e tios do Zap, ele pode ser um esquerdista,
comunista ou petista. Mas, se for, ele terá a anistia proposta por bolsonaristas? É isso?

O jornalista Lauro Jardim informou há pouco, em seu blog, que parlamentares bolsonaristas apresentaram na Câmara dos Deputados, antes mesmo dos atos terroristas de 8 de janeiro, dois projetos de lei prevendo a anistia a manifestantes de atos golpistas que questionam o resultado das eleições presidenciais. Esse perdão alcançaria, obviamente, os terroristas que depredaram os prédios do Planalto, do Congresso e do Supremo, domingo último.

Mas esperem aí: tios e tias do Zap, guerreiros e guerreiras em extenuante missão patriótica, já não sentenciaram que os atos terroristas de domingo foram praticados por "infiltrados", ou seja, por esquerdistas, comunistas, petistas, lulistas e afins?

Tios e tias do Zap já não disseram que os bolsonaristas que participaram dos atos estavam lá, ora vejam só, para proteger os prédios da sanha dos "infiltrados"?

Não é assim que tias e tios do Zap estão dizendo?

Se é assim, como se explica que parlamentares bolsonaristas pretendam anistiar esquerdistas, comunistas, lulistas, petistas e afins?

Ou será que parlamentares bolsonaristas viraram, também eles, traidores da causa?

Expliquem aí, tios e tias do Zap.

Oh, pátria amada!

Cheios de amor, tias e tios do Zap guerreiam sem parar. Não escapa nem Di Cavalcanti, o "infiltrado de Planaltina".

Ao fundo, a tela de Di Cavalcanti que foi danificada. Tias e tios garantem, no entanto, que ele
foi até visto na posse de Lula, suando e se lambuzando todo com protetor solar fator 60.

Tias e tios do Zap estão transtornados desde 30 de outubro passado, quando Lula se elegeu presidente.

Transtornados, tias e tios veem-se aprisionados no topo de seus delírios.

De manhã, acordam e inundam seus grupos de bons dias, sempre acompanhados de emojis que expressam amor, paz, concórdia, união, temperança, racionalidade e apego à verdade - somente a verdade.

Feito isso, começam a sessão interminável - que se estende da manhã até a noite - de encaminhamentos.

Ainda cheios de amor no coração, tias e tios do Zap transformam-se em gerrilheiros patriotas - ou patriotas guerrilheiros - e fazem do celular uma arminha poderosa, que dispara ódio, discórdia, mentira, imoderação e fanatismo, tudo exatamente em desacordo com os emojis distribuídos um pouco antes, quando acordaram.

Para a sessão interminável de encaminhamentos de mensagens, abeberam-se na farta fonte de fake news, de ficções e ameaças apocalípticas (entre elas a de que comunistas estão batendo à porta de bolsonaristas, prontos para comer crianças e pets) provindas dos porões nojentos da rede bolsonarista.

Nas mensagens encaminhadas, tias e tios, guerrilheiros letais, alertam, por exemplo, que o terrorismo perpetrado em 8 de janeiro, em Brasília, não foi obra de bolsonaristas, mas de infiltrados, entre eles, claro, "esquerdistas", "petistas", "lulistas" e "comunistas". Os bolsonaristas, asseguram tias e tios, estavam lá para manifestar-se pacificamente e até tentaram proteger os palácios, mas não conseguiram.

Nas mensagens encaminhadas, espalham - mostrando foto e tudo - que uma idosa morreu após ser detida pela polícia como suspeita de participação nos atos terroristas. A senhora, em verdade, morreu há três meses. Sua família, indignada, classificou essa mentira bolsonarista de "fake news porca", mas tias e tios do Zap, amantes da verdade e da comiseração, insistem em disseminar a desinformação.

Tias e tios, saudosos de Michelle, difundem uma foto que seria de Janja, sentada na bancada de uma cozinha, de óculos e em poses sensuais. Mas é fake. A imagem retrata Adriana Souza Gagliardi, que fez a imagem na cozinha de sua casa em dezembro.

Mensagens encaminhadas desdenham ainda das informações que deploram a destruição, durante os atos terroristas, de obras de arte como a tela "As Mulatas", assinada por Di Cavalcanti. Tias e tios avisam que ninguém deve dar crédito a isso, porque também ele, Di Cavalcanti, é um infiltrado que mora em Planaltina, no entorno do Distrito Federal, e teria sido até visto na posse de Lula, suando por todos os poros, lambuzando-se todo de um protetor solar fator 60, mas aplaudindo, entusiasticamente, os atos de posse do novo presidente.

Em seus delírios crescentes, tias e tios do Zap terminam o dia estimulando uns aos outros a resistirem e acreditarem na verdade. Qual é a verdade? Que Bolsonaro não fugiu, mas está apenas tirando uns dias de folga na Flórida; que o Lula que supostamente subiu a rampa não é Lula, mas um clone dele; que o Exército já está comprando tanques novos para dar o golpe; e que Bolsonaro, tão logo retorne ao País, reassumirá a presidência, uma vez que Lula não venceu, porque as eleições foram fraudadas.

Como derradeira missão patriótica do dia, tias e tios reúnem a netarada, pelo Zap mesmo, e puxam uma oração para que as crianças cresçam obedientes e façam, para o resto de suas vidas, sempre tudo igualzinho ao que tem feito tio Bolsonaro - o puro, o cândido, o incorruptível, o intrépido, o mito e o defensor inconstrastável da família (mesmo que já esteja emplacando a terceira).

Depois de toda essa jornada de trabalho patriótico, tias e tios do Zap, cansados, extenuados e esbodegados, mas com a consciência tranquila, vão fazer a oração da noite para dormir e sonhar em paz, não sem antes assistirem à Jovem Pan, que pratica o mais excrementoso jornalismo no Brasil.

No dia seguinte, tias e tios começarão tudo outra vez. Mas só depois, é claro, de inundarem os grupos de Zap de bons dias, sempre acompanhados de emojis que expressam amor, paz, concórdia, união, temperança, racionalidade e apego à verdade - apenas a verdade, sempre a verdade.

terça-feira, 10 de janeiro de 2023

Bolsonaristas idiotas acham que não há justificativas para prender Bolsonaro. Acham isso porque, justamente, são idiotas.

Bolsonaro, reunido com diplomatas, diz que as eleições seriam fraudulentas: isso foi
uma pequena parte dos "atos preparatórios" para o terrorismo de 8 de janeiro. Ou não?
Bolsonaristas idiotas, quando não estão fazendo idiotices, estão dizendo idiotices. Mas normalmente fazem e dizem idiotices - tudo ao mesmo tempo.
Por serem idiotas, bolsonaristas idiotas acham que não haveria necessidade alguma no pedido formulado pelo Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União, para que sejam bloqueados os bens do fujão covarde Jair Bolsonaro. E nem haveria motivos para prendê-lo como o principal culpado pelos atos terroristas de domingo passado.
Acham - eles mesmos, os bolsonaristas idiotas - que pedidos desse gênero só se justificariam se houvesse indícios do envolvimento de Bolsonaro com os atos terroristas.
É tudo idiotice de bolsonaristas idiotas, podem acreditar. Porque eles são idiotas.
Há quatro anos - de 1º de janeiro de 2019, quando tomou posse naquele que se revelaria o mais nefasto governo da história do Brasil, a 30 de janeiro de 2022, quando covardemente se evadiu do País, saindo por uma porta lateral do Palácio da Alvorada -, Jair Bolsonaro produziu um tsunami de provas contra si mesmo e deflagrou o que, tecnicamente, os penalistas chamam de atos preparatórios que desaguariam nos atos terroristas de 8 de janeiro.
Vão conferindo.
Bolsonaro atacou diariamente o Supremo.
Ofendeu pessoalmente seus ministros. A um deles, chamou de filho da p****.
Diariamente, desacreditou o processo eleitoral.
Bolsonaro chegou ao cúmulo de reunir parte do corpo diplomático para afirmar que as eleições seriam fraudulentas.
Diariamente, disse que as urnas eram um vespeiro de fraudes.
Diariamente, estimulou a corja que o segue a se armar, porque as armas - e não o Estado de Direito - são, segundo acredita, o grande meio para garantir a liberdade individual dos cidadãos.
Uma vez derrotado, jamais moveu um palha para desmobilizar bolsonaristas golpistas, idiotas e fascistas que se concentravam em frente a quartéis, pedindo um golpe contra a vitória legítima de Lula.
Uma vez derrotado, enclausurou-se no Alvorada e silenciou, mas, nos bastidores, usou o PL como sua longa manus para tentar anular o pleito eleitoral.
Enclausurado e silente, e várias vezes encenando um chororô típico dos covardes, Bolsonaro acabou empoderando os bolsonaristas malucos e fascistas e golpistas que acabaram, no último domingo, transformando-se em terroristas que invadiram e depredaram prédios públicos em Brasília.
Aí estão, bolsonaristas idiotas, as evidências clamorosas, chocantes e indesmentíveis de indícios que, por si sós, justificariam prender Bolsonaro e recambiá-lo ao Brasil não sob algemas, mas sob uma camisa de força.
Mas, idiotas que são, bolsonaristas jamais admitirão que tal possa acontecer.

Preso o ex-comandante da PM do DF. Preso o ex-ministro da Justiça de Bolsonaro. E Bolsonaro, quando será preso?

Bolsonaro e Anderson Torres: um, o assecla, já está preso. E o outro, quando será?
Alexandre de Moraes, ministro do Supremo Tribunal Federal, mandou prender, nesta terça-feira (10), o ex-comandante da PM do Distrito Federal, coronel Fábio Augusto Vieira, no curso de investigações sobre os atos terroristas do último domingo, perpetrados por fanáticos seguidores de Jair Bolsonaro.
Nesta terça-feira, o Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (TCU) pediu o bloqueio de bens de Bolsonaro, em razão dos atos terroristas. O pedido também inclui o governador afastado do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), o ex-secretário de Segurança Pública Anderson Torres além de outras pessoas que seriam responsáveis pela invasão aos Três Poderes.
Agora há pouco, Alexandre de Moraes ordenou a prisão de ninguém menos do que Anderson Torres, que foi ministro da Justiça de Bolsonaro e está entre os suspeitos de conivência, por ação ou omissão, com os terroristas que agiram no domingo.
É que todos aqueles episódios - dantescos, tenebrosos e aterrorizantes - demonstraram à farta, exaustivamente, irretorquivelmente e definitivamente que o bolsonarismo é uma peste, uma chaga, um flagelo que assolou o Brasil por quatro anos.
E agora caberá ao Estado Democrático de Direito fazer uso das leis disponíveis para, sem complacência de qualquer ordem, punir exemplarmente não apenas os asseclas de Bolsonaro, como o próprio Jair Bolsonaro.
Porque Bolsonaro, como também já se disse aqui, é o único e verdadeiro responsável pelos atos terroristas de domingo. Os demais envolvidos são apenas coadjuvantes.

segunda-feira, 9 de janeiro de 2023

Multidão faz ato em defesa da democracia e faz coro contra anistia a Bolsonaro


Cerca de 2 mil pessoas reuniram-se nesta segunda-feira (09) à noite na Cinelândia, centro do Rio, para um ato em defesa da democracia que exigiu punição rigorosa para terroristas bolsonaristas, que ontem vandalizaram Brasília, invadindo e depredando os três prédios que simbolizam a República no Brasil - o Palácio do Planalto, o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal.
Representantes de várias entidades da sociedade civil defenderam a prisão dos bolsonaristas fascistas, e a multidão, em vários momentos do ato, manifestou-se em coro contra qualquer possibilidade de anistiar os crimes praticados por Jair Bolsonaro, que está foragido na Flórida (EUA).
As imagens, acima e abaixo, são do Espaço Aberto.





Quando bolsonaristas perguntarem algumas coisas a você, responda assim

Bolsonaristas terroristas tocam o terror em Brasília: quando seu filho crescer,
você, sinceramente, vai ensinar isso pra ele? Falem sério, bolsonaristas.

Para responder a um bolsonarista, você não precisa fazer volteios verbais. Basta falar diretamente, objetivamente, sucintamente. Use uma régua, um compasso e trace o riscado. O bolsonarista vai lhe entender.
Desde os atos terroristas de domingo, bolsonaristas têm usado as redes sociais e grupos de WhatsApp para externar seu enorme senso de discernimento e sua sesquipedal (diria o velho Nelson) capacidade de ligar lé com cré.
Por exemplo.

O que você responderia se um bolsonarista, indignado com quem apoia Lula, lhe perguntasse assim: Você vai ensinar a seu filho que o crime compensa?
Eu responderia assim: Não. Jamais ensinaria a meu filho que o crime compensa. Por isso, jamais ensinaria meu filho a votar e apoiar Bolsonaro - um criminoso, um genocida, um corrupto, covarde, fujão e fascista. Enfim, um emblema dos imbecis mais rematados.

O que você responderia se um bolsonarista, indignado com seu apoio a Lula e aos petistas, lhe perguntasse assim: Você vai ensinar a seu filho que o regime comunista é o ideal pra ele crescer?
Eu responderia assim: Não. Como também jamais ensinaria a meu filho que o bolsonarismo é o ideal pra ele crescer. Porque o bolsonarismo é hipócrita, instila o ódio, usa a religião como um biombo para disfarçar preconceitos. Por isso, o bolsonarismo vilipendia, envilece e desvirtua valores cristãos. Porque o bolsonarismo é um flagelo que embota e enodoa espírito, alma, coração e mente - não necessariamente nessa ordem.

E se um bolsonarista lhe dissesse que "patriotas" concentrados em frente a quartéis ficaram 70 dias na mais absoluta ordem e, portanto, jamais dariam bandeira, invadindo e depredando prédios públicos, o que você diria?
Eu diria assim: Os "patriotas" que ficaram 70 dias em frente a quartéis não são, na realidade, patriotas. São estúpidos, golpistas, fascistas, bolsonaristas e terroristas, que estavam apenas preparando, durante 70 dias, os atos que desaguaram nos atos terroristas de domingo.

Se um bolsonarista lhe dissesse que a turbamulta, que a quadrilha de vândalos que invadiu e depredou prédios em Brasília não era formada por bolsonaristas, mas por "infiltrados", o que você responderia?
Eu responderia assim: Quem imagina que os terroristas que aterrorizaram Brasília não eram bolsonaristas, mas "infiltrados" esquerdistas, só pode imaginar, da mesma forma, que a terra é plana, que tomar vacina faria a gente virar jacaré, que um genocida como Bolsonaro é um ser humano e que o bolsonarismo não é uma seita de fanáticos, mas um religião.

Assim é que eu responderia a essas questões cruciais que bolsonaristas têm levantado desde ontem, quando terroristas bolsonaristas, ou bolsonaristas terroristas, aterrorizaram e vandalizaram Brasília.

Jair Bolsonaro precisa ser alcançado pelas garras das leis. Urgentemente!

Neste domingo, escrevi aqui no Espaço Aberto, em uma postagem sob o título Eu acuso Jair Bolsonaro:

Eu acuso Jair Bolsonaro pelo golpismo, pelo terrorismo, pelo banditismo e vandalismo que assolam Brasília, neste 8 de janeiro.

Eu acuso Jair Bolsonaro pelas ações da quadrilha de bolsonaristas criminosos que tomou de assalto prédios públicos em Brasília.

Eu acuso Jair Bolsonaro.

Por que o acuso?

Porque Bolsonaro é o monstro que pariu o bolsonarismo.

Porque Bolsonaro é o monstro que pariu o negacionismo.

Porque Bolsonaro é o monstro que pariu essa direita repulsiva e excrementosa.

Porque Bolsonaro é o monstro que pariu golpistas monstruosos.

Porque Bolsonaro é o monstro que pariu mentirosos e fanáticos.

Porque Bolsonaro é o monstro que deixou como legado a devastação do Brasil.

[...]

Mesmo calado, foragido e silente, Bolsonaro é o verdadeiro e único responsável por tudo o que fazem e vierem a fazer terroristas, golpistas, bandidos e fascistas, como o são bolsonaristas que assolam Brasília neste domingo.

Em sua coluna (vejam na imagem acima) publicada na edição de O Globo desta segunda-feira (09), a jornalista Miriam Leitão escreve, num dos parágrafos, o seguinte:

Antes de tudo, é preciso ficar claro: o movimento é resultado do trabalho diário, constante durante quatro anos - e que permaneceu impune - do ex-presidente Jair Bolsonaro. Ele é o principal responsável pelo que aconteceu ontem em Brasília, mesmo estando, covardemente, a 6.100 quilômetros da capital brasileira.

É isso mesmo.

E exatamente isso.

As garras das leis precisam alcançar Jair Bolsonaro onde quer que ele estiver.

Ele é o verdadeiro e único responsável por tudo o que fazem e vierem a fazer terroristas, golpistas, bandidos e fascistas, como o são bolsonaristas.

MPF requisita desmobilização urgente das aglomerações golpistas no Pará e abre canal de denúncias para identificação de terroristas


O Ministério Público Federal (MPF) pediu à Polícia Federal (PF) e ao governo do Pará a desmobilização urgente de aglomerações golpistas no estado. 
A requisição à PF e o pedido ao governo estadual foram enviados na noite deste domingo (8), com solicitações de respostas dentro de 24 horas.

Nos ofícios, procuradoras e procuradores da República em todo o Pará levam em consideração os atos criminosos ocorridos neste domingo em Brasília(DF), que abrangeram invasão e depredação dos edifícios do Palácio do Planalto, Congresso Nacional e Supremo Tribunal Federal (STF).

Para os membros do MPF, os atos criminosos foram uma “clara tentativa de deslegitimar o resultado das eleições realizadas em 2022 e objetivar a instabilidade institucional com vistas a um golpe contra o governo eleito.”

Potenciais células de ataque - Para o MPF, aglomerações golpistas instaladas hoje em frente a quartel na avenida Almirante Barroso, em Belém, e possivelmente em outras localidades do estado, têm potencial para se converterem concretamente em células de ataque ao Estado Democrático de Direito, conforme demonstraram os ataques criminosos em Brasília e porque integrantes dessas aglomerações explicitamente apelam por intervenção das Forças Armadas contra o governo federal constituído.

Investigação criminal - A determinação do envio dos ofícios à PF e ao governo estadual foi feita em um Procedimento de Investigação Criminal (PIC) aberto pelo MPF no Pará durante as eleições de 2022 para apurar movimentos golpistas iniciados na época.

Os atos sob investigação envolveram obstrução de rodovias, ataques à Polícia Rodoviária Federal e manifestações golpistas em frente a unidades militares, entre outras ilegalidades.

Para membros do MPF no Pará, esses atos se encontram visivelmente conectados aos movimentos deflagrados neste domingo em Brasília, todos orquestrados de forma nacional.

As ocorrências sob investigação podem configurar crimes como os de abolição violenta do Estado Democrático de Direito, golpe de Estado e incitação ao crime.

Canal para denúncias - Também neste domingo, a unidade do MPF no Pará divulgou, nas redes sociais e à imprensa, um pedido para todos que conhecerem alguém do Pará que realizou atos criminosos em Brasília neste domingo denunciem os criminosos em saladocidadao.mpf.mp.br. As informações serão acrescentadas ao Procedimento de Investigação Criminal em andamento.

Fonte: Ascom do MPF Pará

Entidades civis convocam para ato em defesa da democracia na tarde desta segunda-feira, em São Braz


Oito entidades representativas da sociedades civil estão convocando para as 17h desta segunda-feira (09), no mercado de São Brás, em Belém, um ato em defesa da democracia que exigirá punição rigorosa para todos os responsáveis por atos terroristas ocorridos neste domingo, em Brasília (DF), onde vândalos bolsonaristas invadiram em depredaram o Palácio do Planalto, o Congresso e o Supremo.
As entidades que assinam a nota informam que do Pará partiram "vários ônibus patrocinados por fascistas" levando terroristas para Brasília. "Foi do Estado do Pará (Xinguara) que partiu também o Sr. George Washington de Oliveira Sousa que, com sua quadrilha e fortemente armado, tentou explodir um caminhão de combustível próximo do aeroporto de Brasília na véspera no natal de 2022", lembram as signatárias.
Abaixo, a íntegra da nota:

-------------------------------------------------------------

DEMOCRACIA SEMPRE – EM DEFESA DA AMAZÔNIA E DO BRASIL

Foi com luta e sofrimento de muitos e muitas que chegamos até aqui. Sempre defendemos a democracia e continuaremos a defendê-la custe o que custar. Por isso repudiamos os atos terroristas e golpistas na data de hoje 08/01/2023, que tem as digitais do Bolsonaro, da indústria de armas, do garimpo ilegal, de narco-traficantes, da grilagem, de grupos econômicos que tem lucrado com o sofrimento de nosso povo nos últimos 4 anos, de desmatadores e madeireiros, de nazistas e fascistas dos mais diferente espectros.
Muitos de nossos e nossas companheiras morreram ao longe de décadas para que pudéssemos usufruir da democracia e do estado de direito. Até mesmo a eleição de um déspota em 2018, foi aceita por nós, pois faz parte da democracia a alternância de poder.
Mas os atos de hoje, que nada tem de democráticos, não podem ser tolerados. Devem ser reprimidos e investigados, pois somente grandes grupos econômicos, e certamente criminosos, é que poderiam orquestrar atos terroristas como os verificados neste domingo em Brasília, com a invasão do Palácio do Planalto, do Congresso e do STF.
Exigimos da Procuradoria Geral da República, na pessoa de seu procurador geral, as devidas ações que efetivamente responsabilizem os criminosos que atentaram hoje contra nossa democracia. E que as Polícias e MPs (Estaduais e federais nos estados) investiguem os atos ilegais em cada estado da Federação. Temos notícias de que do Pará partiram vários ônibus patrocinados por fascistas para participarem dos atentados em Brasília. Foi do Estado do Pará (Xinguara) que partiu também o Sr. George Washington de Oliveira Sousa que, com sua quadrilha e fortemente armado, tentou explodir um caminhão de combustível próximo do aeroporto de Brasília na véspera no natal de 2022.
Bastam de agressões contra pessoas indefesas por estes verdadeiros nazistas que não aceitam quem deles discordam. Basta de ataques à imprensa e à defensores e defensoras de direitos humanos nas mais diferentes regiões do Brasil. Nos últimos meses do ano de 2022, os crimes ambientais na Amazônia dispararam. Indígenas e Quilombolas foram atacados, o desmatamento acelerado, ameaças e queimadas. Impunidade como nunca se viu.
Exigimos a adoção de todas providências necessárias para pôr fim a tais absurdos. Sejam na forma de prisão destes facínoras, seja pelo sequestro judicial de seus bens ou bloqueio das contas que alimentam estes atos terroristas. O presidente Lula foi democraticamente eleito e a sociedade brasileira espera que seu governo faça cessar os desmandos e as atrocidades praticados pelo seu antecessor. Que a lei seja aplicada de acordo com o devido processo legal, mas de forma rigorosa, sem impunidade ou anistia, e que seja garantido o direito do novo presidente de governar pra todos e todas e não apenas para uma família miliciana e seus comparsas. Não custa nada alertar que, em caso de omissão de certas autoridades como se viu hoje no distrito Federal, o povo brasileiro não hesitará em defender, ele próprio, a vida de brasileiros e brasileiras que sofreram nas mãos destes fascistas.
Confiamos nas instituições e na nossa democracia, mas não hesitaremos na luta pela defesa do estado democrático de direito e pelo direito à vida do povo brasileiro.
Todos, todas e todes ao ato em defesa da democracia, dia 09/01/2023 às 17:00 hs No mercado de são Braz – Belém-PA.

* Sociedade Paraense de Defesa dos Direitos Humanos - SDDH
* Associação das Mulheres Munduruku Wakoborũn
* Movimento de Mulheres do Campo e da Cidade - MMCC
* Centro de Estudos e Defesa do Negro do Pará - CEDENPA
* Movimento Xingu Vivo para Sempre – MXVPS
* Comissão Pastoral da Terra – CPT
* Coletivo Tela Firme.
* Movimento Sem Terra- MST

domingo, 8 de janeiro de 2023

Um bolsonarista pede desculpas. Mas ele não merece ser desculpado.

Ibaneis Rocha: bolsonarista, ele não merece ser desculpado por atos de terroristas bolsonaristas

Ibaneis Rocha (MDB), governador do Distrito Federal, saiu de seu esgoto para pedir desculpas ao presidente Lula, após a invasão às sedes dos Três Poderes, ocorrida neste domingo (8/1), em Brasília.

Ibaneis não deve ser desculpado.

Não merece ser desculpado.

Não pode ser desculpado.

Ao contrário, Ibaneis deve ser responsabilizado diretamente pelos atos de terrorismo ocorridos neste domingo.

Ibaneis deve ser processo por omissão criminosa.

Ibaneis não merece qualquer crédito, porque sempre foi um bolsonarista declarado.

E bolsonaristas não merecem crédito.

Não merecem ser desculpados por ninguém.

Eu acuso Jair Bolsonaro

Jair Bolsonaro: ele foi, ele é, ele sempre será o verdadeiro e único culpado por tudo
o que fizerem bolsonaristas golpistas, bandidos, fascitas e terroristas
Eu acuso Jair Bolsonaro pelo golpismo, pelo terrorismo, pelo banditismo e vandalismo que assolam Brasília, neste 8 de janeiro.
Eu acuso Jair Bolsonaro pelas ações da quadrilha de bolsonaristas criminosos que tomou de assalto prédios públicos em Brasília.
Eu acuso Jair Bolsonaro.
Por que o acuso?
Porque Bolsonaro é o monstro que pariu o bolsonarismo.
Porque Bolsonaro é o monstro que pariu o negacionismo.
Porque Bolsonaro é o monstro que pariu essa direita repulsiva e excrementosa.
Porque Bolsonaro é o monstro que pariu golpistas monstruosos.
Porque Bolsonaro é o monstro que pariu mentirosos e fanáticos.
Porque Bolsonaro é o monstro que deixou como legado a devastação do Brasil.
Bolsonaro pode fugir.
Pode tentar esconder-se.
Pode tentar manter-se calado.
Nada disso, porém, haverá de inocentá-lo.
Mesmo calado, foragido e silente, Bolsonaro é o verdadeiro e único responsável por tudo o que fazem e vierem a fazer terroristas, golpistas, bandidos e fascistas, como o são bolsonaristas que assolam Brasília neste domingo.
Eu acuso Jair Bolsonaro.
Entenderam?

Um dia tenebroso para a democracia brasileira. Um grande dia para a democracia brasileira!






Brasília, 8 de janeiro de 2023.
Este dia está sendo horrível para a democracia brasileira.
Bolsonaristas terroristas, bolsonaristas bandidos, bolsonaristas fascistas e bolsonaristas golpistas, numa ação coordenada, premeditada e concertada, invadiram o Palácio do Planalto, o Supremo Tribunal Federal e o Congresso Nacional. Na invasão, destruíram os prédios parcialmente.
Este dia está sendo inscrito, na história do Brasil, como um grande dia para a democracia brasileira.
Porque os atos criminosos de bolsonaristas terroristas, bandidos, fascistas e golpistas já estão merecendo repercussão mundial.
E o mundo inteiro está vendo o quão nefastos, fascistas, bandidos, repulsivos e excrementosos são bolsonaristas terroristas, bolsonaristas bandidos, bolsonaristas fascistas, bolsonaristas golpistas.
O mundo está vendo o legado de Bolsonaro - o fujão, o debochado, o fascista, o excrementoso.
Hoje é um dia em que o bolsonarismo está mostrando a sua cara - violenta, golpista, fascista, bandida e terrorista.
Hoje é um dia que o Estado democrático brasileiro, nos limites estritos da lei, terá de iniciar uma repressão rigorosa contra bolsonaristas terroristas, bandidos, fascistas e golpistas.
Pelo bem do Brasil.
Pelo bem da democracia brasileira.
Tenho certeza: do caos bolsonaristas, haveremos de transitar para uma democracia ainda mais fortalecida.
Tenho certeza: nem o bolsonarismo mais nefasto haverá de destruir a democracia brasileira.

Lula precisa, urgentemente, começar a fazer em grande estilo o que prometeu há apenas dois dias

O ex-PM Juracy Prudêncio (de azul), condenado por chefiar uma milícia, participa de ato
de campanha da ministra do Turismo, Daniela Carneiro (à esquerda), em 2018, acompanhados de
Giane Prudêncio, mulher do miliciano, e do deputado estadual Márcio Canella (União Brasil)
Foi objetivo, direto, didático. Avisou: "Quem fizer errado, sabe que só tem um jeito: a pessoa será simplesmente, da forma mais educada possível, convidada a deixar o governo. E se cometeu algo grave, a pessoa terá que se colocar diante das investigações e da própria justiça".
Boa!
Então, o presidente deveria começar imediatamente a fazer o que prometeu.
Deveria começar convidando para se retirar de seu governo Sua Excelência a ministra do Turismo, Daniela Carneiro, também conhecida, nos seus rincões paroquiais em Belford Roxo (RJ), como Daniela do Waguinho.
Antes mesmo da posse, ela já era apontada como ligada ao bolsonarismo.
Depois, o DNA político da ministra resvalou para um, digamos assim, lixo mais profundo, mais raiz: as ligações dela e de seu grupo político com milicianos.
Nos últimos dias, O Globo e a Folha têm sido prolíficos na publicação de matérias indesmentíveis revelando a participação estreita de milicianos - pelo menos quatro, até agora - com o grupo político da ministra e de Waguinho, seu marido e prefeito de Belford Roxo.
Em quatro anos - de 1º de janeiro de 2019 até 31 de dezembro de 2022 -, antibolsonaristas, antifascistas e democratas de um modo geral exaltaram-se, justa e justificadamente, em condenar Bolsonaro e sua famiglia por ligações - evidente, clamorosas e escandalosas - com milicianos.
O que falta para Lula expurgar essa cidadã de seu governo?
O que falta para começar fazendo, em grande estilo, o que disse há apenas dois dias?
Manter a ministra amiga de milicianos começará a fazer de Lula refém de promessas não-cumpridas. E estamos com apenas oito dias de novo governo.
Não convém logo dar início a essa faxina?

sexta-feira, 6 de janeiro de 2023

Jornalistas são agredidos por bolsonaristas. Mas é só liberdade de expressão, né, jornalistas?

Bolsonarista golpista agride jornalista em Belo Horizonte: isso é que é liberdade de expresão, né?

Baderneiros e bandidos?
Terroristas?
Agressores violentos?
Bolsonaristas golpistas, ou golpistas bolsonaristas, voltaram a protagonizar, nesta sexta-feira (06.01), cenas de violência explícita contra jornalistas no exercício profissional de suas funções.
Foi em Belo Horizonte, em frente à Companhia de Comando da 4ª Região Militar.
Os golpistas se irritaram com a cobertura da Imprensa sobre a retirada do acampamento bolsonarista e partiram para agressão física. Desfecharam socos e chutes em profissionais que se viram impedidos de trabalhar. A Guarda Municipal precisou intervir.
Repórteres da Band Minas e do jornal O Tempo foram violentados. Além do confronto corporal, os bolsonaristas também tentaram quebrar e danificar os equipamentos utilizados pela Imprensa. 
Fotógrafo do jornal Hoje em Dia também foi agredido por manifestantes bolsonaristas que acampam em frente à sede do Exército. O fotógrafo tentou se esconder da intimidação atrás de um carro, mas foi arrastado pelo chão, recebeu socos, chutes e pauladas. Como resultado das agressões, ele sofreu um corte na cabeça e foi levado para uma unidade de saúde, onde recebe atendimento.
Mas isso tudo, toda essa violência é apenas o exercício da liberdade de expressão, né?
Pelo menos é o que dizem bolsonaristas, entre eles os que contam com o ardor da simpatia de jornalistas defensores do bolsonarismo.
O tempora! O mores!
Ah, os tempos! Ah, os costumes!

Imundície, nojeira, dilapidação, desarrumação. A casa de Bolsonaro é a tradução do governo Bolsonaro.


O Palácio da Alvorada pós-Bolsonaro: a cara de Bolsonaro

A casa da gente é a expressão do que somos.

A tua casa é a expressão do que tu és.

Não precisamos nos aprofundar muito em filosofias negacionistas para constatarmos essa verdade tão óbvia, tão evidente, tão chã, tão primária.

O Palácio da Alvorada foi a "casa" de Bolsonaro até 30 de dezembro passado, quando ele fugiu - isso mesmo, fugiu - do País.

Nesta quinta-feira (05.01), Janja, mulher do presidente Lula, guiou a repórter Natuza Nery, da GloboNews, por algumas dependências da "casa" que Bolsonaro habitou por quatro anos, para mostrar publicamente como se encontram o imóvel e parte de seu mobiliário.

O que o País viu é verdadeiramente estarrecedor.

Cômodos estão com infiltrações e janelas quebradas.

Algumas obras de arte que estavam expostas no local sumiram.

Piso e móveis estão deteriorados e tapetes, rasgados.

A tapeçaria "Músicos", de autoria do pintor e muralista Di Cavalcanti, foi retirada da biblioteca e colocada em outro local da Alvorada. A mudança de lugar fez com que a obra fosse mais exposta ao sol, o que causou um desbotamento e, de acordo com Janja, deverá passar por um processo de restauração.

Uma imagem sacra do século XIX foi encontrada no chão.

Um cômodo que seria uma sala de jantar foi encontrado totalmente vazio, sem os móveis que deveriam estará lá.

A "casa" de Bolsonaro ficou a cara de Bolsonaro.

A "casa" de Bolsonaro está a cara do que foi o governo Bolsonaro.

A cara da devastação.

Da depredação.

Da imundície.

Da nojeira.

Do caos.

Da desarrumação.

Da dilapidação.

Do desapreço pela preservação do patrimônio público.

Mas Bolsonaro, mesmo foragido, ainda pode ser responsabilizado por isso.

E certamente o será.

Ou sê-lo-á (para seguirmos próclises, mesóclises e ênclises tão ao gosto de Temer, o golpista).

Duas imagens para bolsonaristas golpistas usarem como terapia


Não poderia ser diferente.
Ainda hoje, 6 de janeiro de 2023, portanto seis dias depois de Lula ter subido a rampa do Palácio do Planalto como presidente empossado para um terceiro mandato (fato inédito na experiência democrática brasileira), bolsonaristas fanáticos teimam em proclamar sua convicção de que um golpe ainda está por vir.
Mas não virá.
Porque falar em golpe é coisa de malucos, idiotas, fascistas e bolsonaristas - não necessariamente nessa ordem.
Para que tentem curar-se de suas fantasias golpistas e superar a maluquice que os devasta, malucos, idiotas, fascistas e bolsonaristas precisariam apenas de um coisa: visualizar todo dia, o dia todo, as duas fotos que aparecem nesta postagem.
Na do alto, Lula e Alckmin (com suas respectivas esposas) sobem a rampa com representantes de vários segmentos da sociedade brasileira, que passaram a faixa ao novo presidente.
Na foto acima, de quatro anos atrás, Bolsonaro e Mourão, dois espécimes de um governo que se revelaria nefasto, daninho, genocida, negacionista e o pior em 522 anos, sobem a rampa, também acompanhados de suas respectivas mulheres, para receber a faixa de um golpista dissimulado como Michel Temer.
Se compararem essas duas fotos e vislumbrarem nelas alguma diferença entre democracia e autoritarismo, bolsonaristas fanáticos já podem considerar que têm condições de voltar ao mundo real.
Do contrário, convém que peguem o avião - ou o busão, ou o jegue, ou o trem, ou a canoa - e tomem o rumo de Orlando.
Boa viagem!