quinta-feira, 25 de maio de 2017

Em Belém, cada um faz o que quer. E exploda-se o resto.

Espiem só.
Só dá pra acreditar porque é em Belém.
A cidade está sob o domínio, digamos assim, de soluções voluntaristas.
Cada um se acha no direito de fazer o que lhe dá na telha.
E exploda-se o resto!
Todo o resto!
Ah, sim: em vez de exploda-se, sinta-se à vontade para usar outros verbos.
Dará no mesmo.


3 comentários:

Anônimo disse...

Na cidade sem lei, tudo pode.
Acordem o xerife Zeraldo.

Aliás, ali por trás da Unama, os "operadores" que atuam são os flanelinhas; vide as filas de estacionamento criados bem no meio da rua.

Anônimo disse...

Deseducação, acima de tudo....

Luiz Abreu disse...

Prazer em desobedecer, descumprir as leis, especialmente as que regulam o convívio em sociedade.